Mãe Formada, Família Restaurada!

Dízimo: doação regular que todo batizado deve assumir

A Liturgia do último domingo, 11-11, nos levou a contemplar a generosidade de duas pobres viúvas.

Esse tema nos leva a refletir também sobre a importância de sermos regulares na devolução do Dízimo.

A palavra “dízimo” significa “décima parte”, e a sua origem está nos 10% que os judeus davam de tudo o que colhiam da terra com o seu trabalho. Também hoje todos são convidados a oferecer, de fato, a décima parte daquilo que ganham, mas isso não é um preceito: ninguém é obrigado e ninguém deve ser constrangido a fazê-lo. O importante é entender que o dízimo não é esmola. Deus, que jamais nos priva da nossa liberdade, merece a doação feita com alegria: o que é doado de boa vontade faz bem a quem dá e a quem recebe.

Cada pessoa deve definir livremente, sem tristeza nem constrangimento, qual percentual dos seus ganhos irá separar para o dízimo. Como visto, a Igreja não exige a doação de 10% de tudo o que se ganha. Porém, para ser considerado dízimo, é preciso que seja realmente um percentual, isto é, uma porcentagem dos seus ganhos, sendo no mínimo 1%, segundo explicação do revmo. pe. Luiz Paulo de Souza. Assim, se alguém ganha R$ 2.000,00 e oferece R$ 20,00, isso ainda pode ser considerado dízimo. Menos do que isso, porém, seria uma oferta.

A experiência pastoral comprova: aqueles que, confiantes na Providência Divina, optaram pelo dízimo integral, isto é, pela doação dos 10% de tudo o que ganham, não se arrependeram nem sentiram falta em seus orçamentos: ao contrário, muitos dizimistas dão o seu testemunho de que depois que passaram a contribuir com a Igreja e a comunidade dessa maneira, passaram a se sentir especialmente abençoados: Deus não desampara os que n’Ele confiam integralmente.

Mas isso não quer dizer que devemos dar o dízimo esperando “ganhar em dobro”, nem receber algo em troca, como se pudéssemos barganhar com Deus. Aqueles que ensinam tais coisas nada entendem de cristianismo, não compreendem o contexto bíblico e menos ainda o significado de partilha, tão presente na Igreja primitiva.

Jesus Cristo diz que há mais bem-aventurança em dar do que em receber (At 20, 35). Dar pensando no que se receberá de volta, portanto, não é dar, é negociar, é trocar, é barganhar. Só é possível dar, no sentido cristão, quando não se espera nada em troca.

A entrega do dízimo normalmente é mensal, porque a maioria das pessoas recebe salário todo mês. Já os que recebem semanalmente, por exemplo, podem combinar de entregá-lo uma vez por semana. O importante é saber que o dízimo deve ser entregue na comunidade com a mesma regularidade com que se recebem os ganhos regulares.

Já as ofertas são doações espontâneas, com as quais o fiel também pode e deve participar da vida em comunidade, mas nesse caso não existe a regularidade, como no caso do dízimo. Você pode e deve doar na hora do ofertório, durante as Missas, ou fazer depósitos nas caixas de coleta, mas não se trata de um compromisso fixo assumido com Deus, e sim de uma manifestação de amor e de confiança.

Cada vez mais católicos se conscientizam da importância do dízimo e das ofertas. É bom encontrar as igrejas limpas, bem equipadas, com tudo funcionando bem… Mas, infelizmente, muitos se esquecem de que, para isso, todos precisam colaborar! Somos a Família do Senhor, e cada templo da Igreja é uma casa de todos nós. A Igreja conta com o seu desejo de viver em Cristo, de assumir de fato o papel e a missão de ser, junto com seus irmãos de fé, membro de um mesmo Corpo: aceite o chamado de nosso Pai Eterno e diga sim ao compromisso de levar adiante os trabalhos evangelizadores da sua paróquia. Informe-se sobre como se tornar um dizimista e faça bem a sua parte.

“Dê cada um conforme o impulso do seu coração, sem tristeza nem constrangimento. Deus ama a quem dá com alegria.”
(2Cor 9,7)

Leia mais.

Compartilhar

Leia Também

VISITA AO ARCEBISPO DE OLINDA/RECIFE, DOM PAULO JACKSON

Aconteceu no dia 9 de maio de 2024, a reunião...

TROCA DE DIRETOR ESPIRITUAL ESTADUAL

É com muita alegria que anunciamos Padre Jackson Manioli como...

O PODER DA ORAÇÃO DE MÃES QUE ORAM PELOS FILHOS, POR MAGNA

Eu nunca pensei que participaria de um grupo de mães...

NOVO GRUPO PARÓQUIA DA RESSURREIÇÃO, CEILÂNDIA

Me chamo Andréia. Conheci o Movimento de Mães que Oram...

ORAÇÃO, CURA E RECONCILIAÇÃO. AMO SER AMO, POR MARIA LÚCIA

Meu nome é Maria Lúcia sou casada e mãe de...

N. SRA DE LA SALETTE, MEDIANEIRA EM MINHA CURA, POR ELIZABETH M.

Participo do Movimento Mães que Oram pelos Filhos, na Paróquia...